Gerais - 4 de maio de 2018

Aí Deu “Sodade”!

Era chegado o mês de abril e dentro das comemorações do aniversário da cidade, os saudosos festivais da Canção, que tiveram início no Cine São Geraldo, em 1971, através de uma iniciativa privada, quando um dos jurados foi Sérgio Bitencourt. E foi também no Cinema que ocorreu no ano seguinte. Mas, o Festival popularizou-se mesmo quando o palco se transferiu para o Ginásio Coberto do Grêmio Esportivo Monlevadense. E foi a partir de 1974 - já que em 73 não aconteceu o evento -, durante o “FestiAço”, coordenado pela administração do então prefeito Dr. Lúcio Flávio, quando João Monlevade completava 10 anos de emancipação. Neste ano saiu vencedor o samba “Atrás da Alegria”, de autoria de João Rosa, de Caratinga. Interpretado pelo cantor monlevadense Severino Miguel, o samba contagiou a plateia, que cantava o refrão “Saia correndo atrás da alegria, aproveite que hoje é seu dia e este dia não pode faltar. Vá trocar o certo pelo incerto, ou tentar no incerto o certo, que é bem melhor que ficar”...

Havia muito glamour nesse período, tendo surgido boa safra de bons compositores da terra, entre poetas e músicos, além de ótimos intérpretes, que subiam ao palco com as arquibancadas lotadas para enfrentar os jurados e o público. Alim Machado, Wilson Vaccari, Guido Valamiel, Dirceu Pereira foram os nomes de apresentadores na era do boom dos Festivais, e por aqui desfilaram jurados famosos, da TV, entre os quais os maestros Cipó e Erlon Chaves, e a grande artista Elke Maravilha.

Foto 01: Na primeira fotografia, marca um dos conjuntos que algumas vezes se apresentava nos festivais, entre uma música e outra, mas que também marcou época durante os bailes que faziam no Caça e Pesca, União, Ideal e Social Clube: a Banda “The Lonely”, cujo vocalista era o “Zé Teco, aqui acompanhado dos músicos Bené, Maurício, Seu Nenen, Canuto, entre outros. Bons tempos!

Foto 02: Na foto de baixo, o Ginásio do Grêmio lotado, durante um Festival ocorrido no final da década de 1970. O público participava e cantava as músicas num clima de muita emoção.



Na verdade Marcelo Melo la pelos idos de 194849 um grupo de garotos residentes nas ruas Tieté Parauna e rua Siderurgica, todos torcedores do Vasco da Gama, jogavam uma pelada no adro perto da gruta da igreja São José Operário; dentre eles estavam José Rosinha, Eu Henriquinho , tinha também um muito bom de bola com apelido de Lele que morreu afogado ao pular da ponte de arame; esta turminha e mais alguns que não mi lembro mais os nomes, um dia ao se reunir oara pelar, encontramos o nosso campinho cheio de pedras; a Belgo ia calçar o local; fomos então pelar nas dependéncias do Grémio. Daí nasceu o Vasquinho viu?

Por Décio de Souza.