História - 5 de junho de 2018

Aí Deu “Sodade”! - Parte I

Foto 01:
No dia 25 de Setembro de 1948, a comunidade cristã monlevadense inaugurava a Matriz de São José do Operário, no bairro Tieté, projetada pelo arquiteto Yaro Burian, no estilo “V Disfarçado” por solicitação da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira (CSBM). “V Disfarçado” é uma alusão à Vitória, saudando o fim da Guerra (1942/1945), cujo slogan era inspirado na causa de Cristo, destacando o imensurável valor cultural do templo. O programa da festa lembra que o arquiteto Yaro Burian deixou perpetuado o “V Disfarçado” de Vereda, Verdade e Vida. É um templo diferente, onde o verde da floresta e o clima da arquitetura favorecem a espiritualidade e o encontro íntimo com Deus. É a única Igreja do mundo em formato de um V.
A obra foi iniciada em 1942 e construída em tempo recorde, ficando concluída em 1946. A Belgo Mineira providenciou então a compra de todos os equipamentos, sinos, imagens e móveis para a Igreja, demorando dois anos para inaugurá-la. O então Arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes, apresentou três sugestões para Padroeiro da Igreja: Santo Elói, Santa Bárbara e São José. A escolha coube ao Cônego José Higino de Freitas: “SÃO JOSÉ”, para representar os pais de famílias monlevadenses que em sua grande maioria eram metalúrgicos. A partir disso, Santa Bárbara ganhou lugar no altar lateral do templo, enquanto a imagem de Santo Elói ficaria no lugar de destaque no hall da entrada principal.
Portanto, no próximo dia 25 de setembro, a Matriz São José Operário completa 70 anos. Na foto acima, da década de 1940, logo após sua inauguração, pode-se notar que ainda não havia sido construída a escadaria que viria ligar a Rua Tapajós à Rua Tieté, saindo de frente às escadarias da Igreja e que representa exatamente um Cálice. Na época, havia apenas o barranco. A obra foi construída na década seguinte.