História - 4 de setembro de 2018

Aí Deu “Sodade”!

O Lactário (Leiteria) foi instalado pela Belgo-Mineira para distribuir leite e mingau aos filhos dos operários. Era tudo balanceado e se formavam as filas na hora da distribuição. Uma cultura que veio do Velho Continente, trazida das mãos dos luxemburgueses, que preservam a cultura de se preocupar com uma boa alimentação infantil.
Aqui, mostramos duas fotografias do Lactário, sendo uma da parte externa e outra da fila para distribuição do leite. Ambas são dos anos 1950.
Naquela época as crianças mais velhas buscavam mingau para os irmãos mais novos. O engarrafamento do mingau e do leite era todo automatizado. No andar de baixo do Lactário funcionavam a fábrica de manteiga, creme de leite e o serviço de pasteurização do leite, assim como a máquina para esterilizar e engarrafar. No andar de cima eram feitos os mingaus, de acordo com as idades das crianças. Os bebês de até três meses recebiam Eledom ou leite ao meio (metade leite e metade água de arroz); dos três aos seis meses era o famoso 2/3 (2 partes de leite e uma de água) e dos seis meses a um ano de idade era mingau de leite integral. Tudo na mais perfeita higiene. As garrafinhas vinham com a quantidade exata pra cada mamada, de acordo com a indicação médica. A distribuição dos produtos durou até julho de 1969, quando tornou-se inviável dar continuidade ao atendimento devido ao aumento da população de João Monlevade, quando a Belgo-Mineira passou a fornecer apenas 1 litro de leite para as crianças de até 1 ano de idade.
Esta história nunca será esquecida pelos monlevadenses que viveram essa época de ouro.