Matriz de São José Operário: marco de nossa história religiosa!

Vista parcial do símbolo religioso de João Monlevade, a Mattriz de São José Operário

No dia 25 de setembro de 1948, sendo Pio XII o Pontífice máximo da Igreja e Dom Helvécio Gomes de Oliveira o Arcebispo Metropolitano de Mariana, foi solenemente instalada a Paróquia de São José de Monlevade, exatamente três meses antes da promulgação da Lei Estadual nº 336, de 27 de dezembro de 1948, que criou o Distrito de João Monlevade.
O povoado estava em festa. Era o último dia de um Tríduo Regional, programado pelo Capelão-Cura, Pe. Dr. José Higino de Freitas, em preparação ao V Congresso Eucarístico Nacional, prestigiado pela presença do Arcebispo Dom Helvécio Gomes de Oliveira. Naquele dia, terminada a Conferência, o Pe. Dr. José Alves Trindade, Secretário Geral do Arcebispado de Mariana, procedeu, do púlpito, à leitura do documento de ereção canônica da nova Paróquia. Nos termos do decreto, datado de 24 de setembro, o território da nova paróquia compreendia o núcleo populacional de João Monlevade, incluindo a chamada Vila Tanque e Baú, e os povoados de Carneirinhos e Jacuí de Cima (atual Cruzeiro Celeste). No mesmo dia, o Arcebispo anuncia e proclama o nome do primeiro Pároco: Pe. Dr. José Higino de Freitas.

Esse, o marco histórico, formal, oficial, testemunhado pelo Arcebispo, pelo jovem Pároco, por outros sacerdotes que aqui vieram para a solenidade, pelos Engenheiros Louis Jacques Ensch, Joseph Hein, Albert Sharlé e Geraldo Parreiras, Diretores da então Belgo-Mineira, e por uma parcela expressiva da população, já organizada em florescentes associações religiosas.

O cenário da solenidade era magnífico: “o Santuário de São José, construído em forma de V, verdadeira fortaleza sagrada, suspensa entre a folhagem da verdejante colina que domina as duas margens do Rio Piracicaba”, como se expressou o Pe. Pedro Sarneel, grande latinista, professor do Colégio do Caraça, autor dos versos latinos inscritos na pedra do altar, nos sinos e no nicho onde se encontra a esultura de Santo Elói. Concepção originalíssima do arquiteto Dr. Yaro Burian, a Matriz de São José, única do mundo em forma de V – de Vereda, Verdade e Vida – ganhava, na brancura de suas linhas arquitetônicas, recortadas no verde da vegetação, o status de sede da primeira paróquia operária do Vale do Aço.

A data, a festa, o marco histórico e o templo – ícone que se eternizaria como imagem-símbolo do futuro município de João Monlevade… E a história? Essa se vinha desenhando em outras veredas, construídas pelo ardor de uns tantos missionários que construíram com sua fé e seus trabalhos os fundamentos de uma cristandade já com dez anos de caminhada.

Procissão no ano de fundação da Igreja, com barracas ao lado


Com efeito, o jovem pároco Pe. Dr. José Higino de Freitas, zelosamente registrara no Livro de Tombos IA da nova paróquia, às fls 29 e 30, fatos que resumem essa caminhada e que transcrevo com fidelidade: “A princípio, toda a assistência religiosa constituía na celebração de uma missa, uma vez, mensalmente. Aqui chegava o cooperador do Padre Manuel Pinto, pároco de Rio Piracicaba, celebrava a missa ao ar livre, junto do primitivo Grupo Escolar situado na Praça do Cinema, fazia os batizados e se retirava. Em maio de 1942, foi nomeado pároco daquela paróquia, em substituição ao Padre Pinto, alquebrado pelos anos, o Padre Dr. Levi de Vasconcellos Barros, que começou a dar maior assistência ao povo, religiosamente, quase abandonado. Ele fundou as associações religiosas. Pouco depois, veio residir no velho Solar de Monlevade, como capelão do Hospital, o Cônego Domingos Martins. Ele transformou em Capela um quarto da construção que existe ao lado da Fazenda Solar (onde havia já a ermida de São João Batista) e aí mantinha o Santíssimo Sacramento, era celebrada, diariamente, a Santa Missa e atendidas confissões, batismos urgentes, etc etc. Em 1º de outubro de 1944, aqui chegou o Revmº Padre Almir de Resende Aquino (a essa altura, o Cônego Domingos passara a residir em Coronel Fabriciano) com o título de Capelão-Cura, encarregado de preparar a criação da paróquia. Lançou-se com ardor à sua tarefa até que, em novembro de 1945, foi substituído em caráter provisório pelo autor destas linhas.”

O 1º Batizado e o 1º Casamento

E a sua história também é marcada por tradicionais festas religiosas que mobilizam os cidadãos das cidades vizinhas, como a vinda das missões, Semana Santa, Corpus Christi e a festa do Padroeiro. O primeiro batizado realizado na Matriz São José Operário foi em 10 de dezembro de 1944. O menino tem o nome registrado no livro da igreja apenas como José, nascido em 27 de maio de 1944, filho de Joaquim Moisés e Maria da Conceição, e foi celebrado pelo padre Almir de Resende Aquino.O primeiro casamento foi realizado em 3 de janeiro de 1945, às 16:00 horas, em cerimônia realizada também pelo padre Almir.

Nos primeiros anos de sua instalação havia naves separadas para homens, mulheres e casais, conforme mostra a foto abaixo. Ordem do Cônego Higino

*Pesquisa e Texto: Geraldo Eustáquio Ferreira (Professor Dadinho)

Esta matéria foi publicada na edição de nº 125 do jornal “Morro do Geo”, de setembro/2008.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!