A História do Tacho! *Coramar Aves

Na fotografia acima, uma vista da antiga usina da Belgo-Mineira

O filme começa a passar em minha mente. Uma história do tacho dos Anos Dourados. O que já parece distante no tempo, torna-se cada vez mais perto do coração. Imagens saudosas e queridas, histórias acontecidas, vividas e contadas pelo meu amado pai, apareceu na antiga tela da prezada terra natal. O tempo me roubou essa época maravilhosa, dourada! Mas ficou a eterna saudade! Ficou a lembrança querida e inesquecível de uma João Monlevade grandiosa, altaneira, que ainda hoje abre os braços para me acolher. Acolher uma filha que muito lhe quer.

Para os anais da história esta é mais uma contada e recontada pelo meu paisão e seus grandes amigos, no “Bar do Daniel”, após o trabalho na Usina, final de tarde; lá na saudosa Rua Siderúrgica. A bela, alegre e aconchegante rua, duramente longos anos! Rua de brasileiros e estrangeiros. Todos se conheciam e viviam em harmonia e solidariedade. Rua acolhedora, de gente bonita, educada, amiga e feliz! Rua cheia de vida bem vivida, da minha infância e mocidade. Rua da casa, do lar onde eu nasci.

O tacho é mais uma história do arquivo de um passado dourado, de tradição e confiança. Aconteceu na Portaria da Usina, há mais ou menos meio século, em João Monlevade, o “Pedacinho do Céu”, terra abençoada por Deus e sob a proteção da Cia. Siderúrgica Belgo-Mineira. Uma história inusitada, típica de expediente final de trabalho diário. Um caso entre um bobo e um ladino; comentaram muitos em gostosas gargalhadas. O autor da façanha, da proeza, chama-se Joaquim, e que aqui vou preservar seu sobrenome (rs). Antigo na Companhia, morador do aprazível e agradável “Jacuí de Baixo”, palco de inesquecíveis tardes de domingos de futebol no estádio do Jacuí. Belgo-Minas, Metalúrgico, Vasquinho… Saudades! Doces e profundas!

E a história continua… O Sô Joaquim, um belo dia, resolveu fazer um tacho para dar de presente à sua esposa. Então decidiu que nas horas vagas, após o trabalho diário, faria o tacho na própria Usina. E assim sucedia! Todavia, todo o material do bendito tacho era da Belgo-Mineira e fruto de horas vagas trabalhadas, mas dentro da Usina. Passados alguns dias, o tacho, presente para a boa esposa, ficou pronto. Entretanto, o antigo empregado da Companhia não pensou no grande problema que teria que enfrentar: sair com o tacho e levá-lo para sua casa, no “Jacuí de Baixo”. O maior entrave do momento seria passar pela Portaria da Usina. E não era nada fácil!

Tinha, então, que armar um plano e bem arquitetado e urgente. Os vigilantes tinham ordem expressa de não deixar sair nenhum material sem o respectivo vale; uma ordem por escrita e detalhada, assinada pelo chefe. Rezando para São Benedito, seu Santo de devoção, lá ia Sô Joaquim com o tacho nas mãos, pensando talvez num descuido do vigia e pedindo pro Santo conceder um cochilo, já que podia estar com os olhos empoeirados de tanto vigiar. Já estava ele, bem próximo da Portaria. Teve medo. Apavorou-se! Parou e pensou. “Um monte de areia! Eis a solução. Estou com sorte. É o Benedito me socorrendo”, disse para si mesmo. Encheu então o tacho de areia e caminhou firme para a saída da Usina.

Na Portaria veio a pergunta de praxe: – “Sô Joaquim, cadê o vale da areia”? Perguntou o vigilante. E ele retrucou: – “Precisa vale para isto? Não é possível. Uma porcaria destas e precisa de vale? Quem já se viu isto? Vale para esta porcaria? Ah, vê se pode! Não é possível! Será o Benedito? Vocês, hein”! Depois do longo discurso, e mais uma pá de xingamentos do tipo “171”, Sô Joaquim foi jogando fora a areia, sempre fraquejando e esvaziando o bendito tacho. E lá se foi ele, o antigo empregado da Belgo-Mineira, com eu tacho na mão, no rumo de casa. Andava com passos firmes e largos, olhar meio de sorriso e meio de deboche pelo fato de o vigilante ter caído no seu truque. Lá ia pela terra abençoada de Louis Jaques Ensch, cidade que se formava altaneira soberba, gigante, acolhedora.

*Coramar Alves é professora aposentada e foi colunista durante anos do jornal “Morro do Geo”!

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!