O Carnaval de Rua em João Monlevade!

Na fotografia acima, o desfile do Bloco “Samba Furó”, subindo o famoso morro do Geo, provavelmente entre o final da década de 1950. O Bloco tornou-se uma tradição em João Monlevade e durou por muitos anos

•Contrariando aos mais pessimistas, o carnaval de rua em Monlevade teve tradição, sim. Tanto que, durante o período em que as praças do Cinema e do Mercado sobreviveram ao progresso, os desfiles eram contagiosos e reuniam um grande número de foliões. Blocos saiam do Ideal e União e desciam a ladeira do morro do Geo. Atravessavam o outro lado do rio até a Tieté e retornavam. Não havia divisão entre os carnavalescos de rua e de salão. Um completava o outro.

Ainda no final dos anos 1940 nasceu o primeiro bloco tradicional na cidade, o “Samba Furô” e anos mais tarde o “Nêga Maluca”. No anos 1960 surgiram as tradicionais escolas de samba “Estrela da Vila”, “Boca de Lobo”, “Boca Branca” e “Boca Negra”, e nos idos dos ano 1980 a “Ciranda de Ouro”,. Também na década de 1970 vieram os blocos “Reunião de Bacanas” e o irreverente “Bonequinhas de Elite”, comandado pelo saudoso “Nova Lima”, onde todos os homens se vestiam de mulheres, o famoso “Bloco do Sujo”! Depois os desfiles foram transferidos para a Avenida Getúlio Vargas, em Carneirinhos, e o carnaval de rua sucumbiu de vez naquele fevereiro de 1988.

Mas o sonho acabou. E não somente o carnaval de rua, mas também os saudosos carnavais de salão, que eram disputadíssimos no Ideal, União Operário, Caça e Pesca e no Social Clube, sob o som de orquestras de alto nível, como as Bandas do “Julinho” e do “Edmo”, entre outras, e grandes intérpretes como Geraldo “di Noite” e o saudoso Severino Miguel.

Abaixo, , o desfile do bloco “Nêga Maluca”, da Vila Tanque. Antres de surgir a escola Estrela da Vila. Tudo artesanal.

Abaixo, o bloco “Os Carrascos”, que todos os anos fazia a festa nas ruas e depois no salão do Ideal Clube

Havia tradição. A prova são esses três momentos. Na foto um carnaval de rua promovido pelos moradores da rua Siderúrgica, em 1941, entre crianças e adultos

Os carros alegóricos saiam da praça do Cinema com os foliões. O Rei Momo e a Rainha do Carnaval desfilavam pelo Centro da cidade e as melhores fantasias eram premiadas nos clubes. Toda a sociedade monlevadense, entre negros, brancos, pobres ou ricos, participava. Sem discriminação e sem preconceito

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!