CÔNEGO JOSÉ HIGINO DE FREITAS: O PIONEIRO DA RELIGIÃO E DO ENSINO

Um Fotografia do Cônego Higino de Freitas

Em 1945, transferido de Santa Bárbara, onde fora Vigário, chegava a Monlevade o então Padre José Higino de Freitas, com a missão de organizar a vida religiosa na Vila de Monlevade, emergente núcleo populacional que se formava em torno da Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira.

Na esteira de seus passos, primeiro para dar-lhe o apoio afetivo de que precisava e, posteriormente, encantados pela qualidade de vida de Monlevade, seus familiares, originários de Barra Longa, para aqui se transferiram também, fincando raízes no povoado e contribuindo com seu trabalho para o desenvolvimento do lugar.

Em trinta anos de trabalho dedicado a esta cidade, o Cônego Higino deixou dois grandes legados: a formação da consciência religiosa de seu povo e a educação da juventude. Principalmente em decorrência desse último legado, tem o seu nome ligado a uma das grandes escolas do município, a Escola Municipal Cônego Higino. Vale dizer que esta escola é a  sucessora do antigo Ginásio Monlevade, (posteriormente Escola Estadual de João Monlevade), por ele fundado e instalado na cidade em 1955, com a ajuda da Belgo Mineira e da Arquidiocese de Mariana.

Natural de Barra Longa

Filho de José Higino dos Santos e de Isabel Ferreira Freitas, nasceu na cidade de Barra Longa, aos 23 de dezembro de 1912, ali passando sua infância. Vivendo no seio de família profundamente religiosa, sentiu desde cedo o chamado para o sacerdócio, sendo então encaminhado para estudar no tradicional Seminário de Mariana.

No Seminário de Mariana, cursou o antigo curso de Humanidades e o de Filosofia e, tendo-se destacado por sua prodigiosa inteligência, mereceu do Arcebispo Dom Helvécio Gomes de Oliveira a indicação para fazer o curso de Teologia em Roma, na Pontifícia Universidade Gregoriana, de onde saiu Doutor em Direito Canônico. Sua tese de doutorado, um precioso trabalho sobre os Seminários no Brasil após o Concílio de Trento, apenas foi publicada  na década de setenta por iniciativa de Dom Oscar de Oliveira, Arcebispo de Mariana, e sob os auspícios da Belgo-Mineira.

Ordenado sacerdote aos 25 de outubro de 1936, em Roma, retornou ao Brasil após concluir doutorado, exercendo o ministério primeiramente em Cataguases, onde foi Vigário Cooperador, e depois em Santa Bárbara e João Monlevade.

Foi certamente João Monlevade que mais se beneficiou de sua vida, pois passou nesta cidade grande parte de sua existência. Quando aqui chegou, em 1945, João Monlevade era simples Capelania e o jovem sacerdote de então preparou o terreno para a instalação da Paróquia, o que se concretizou em 1948, com a sua nomeação como seu primeiro pároco. As pessoas que viveram naquela época dão testemunho da florescente vida religiosa da Paróquia de São José Operário, com associações religiosas muito bem organizadas e um laicato atuante.

A Paróquia cresceu tanto que, em 1954, já promovido a Cônego, recebeu um Vigário Coadjutor na pessoa do Padre Antônio Henriques de Albuquerque. Posteriormente, em 1959, seria criada a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição em Carneirinhos, com território totalmente desmembrado da Paróquia de São José Operário.

Atento às necessidades de seu rebanho e ciente de que a atividade sacerdotal não pode restringir-se ao múnus religioso propriamente dito, o Cônego Higino sempre se preocupou com a educação do povo. Na década de cinquenta, através de uma pequena estação transmissora de rádio, instalada nas dependências da residência paroquial, educava o povo com preciosas preleções radiofônicas e ainda promovia o lazer com variada programação musical.

Foi certamente essa pequena estação de rádio o esboço da grande realização que o colocaria no panteão dos grandes pioneiros de João Monlevade: a criação e instalação do Ginásio Monlevade, em 1955, o primeiro estabelecimento de ensino médio do município, inicialmente subordinado ao sistema arquidiocesano de ensino e, a partir de 1965, absorvido pela rede estadual sob o nome de Colégio Estadual de João Monlevade, instituição modelar, onde se formaram tantas gerações de estudantes. O Cônego Higino foi também  seu Diretor desde a instalação até 1971, quando se afastou da Direção, permanecendo, entretanto, mais alguns anos como professor de Filosofia.

Foi justamente por ocasião de sua renúncia à Direção da escola que a Câmara Municipal de João Monlevade outorgou-lhe, em sessão solene, o Diploma de Cidadão Honorário, justa homenagem para quem já era monlevadense de coração.

Enganou-se quem o julgava afastado das atividades de ensino: em maio de 1975, o Prefeito Lúcio Flávio o convidou para Diretor do Centro Educacional de João Monlevade. Infelizmente não ficou muito tempo naquela escola: menos de dois meses após a posse seria acometido de súbita enfermidade que o prenderia ao leito até o final de sua vida.

Despedida!

     Morreu em 8 de setembro de 1981, deixando um legado grandioso que não poderá ser esquecido pelas gerações vindouras: Pioneiro da Fé e do Ensino em João Monlevade, tem seu lugar conquistado na História da cidade, como uma de suas maiores personalidades de todos os tempos.

Matéria publicada no jornal “Morro do Geo”, edição de nº 98, de junho/2006.

*Pesquisa e Texto: Geraldo Eustáquio Ferreira (Professor Dadinho).

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!