A mudança do Centro Industrial para Carneirinhos!

João Monlevade acontecia no chamado Centro Industrial. Aliás, muitos dos próprios monlevadenses chamavam o lugar de “Monlevade”, como se o resto não existisse. E quem vinha de fora achava que Monlevade era uma cidade, e Carneirinhos outra. Verdade.


Mas o “Monlevade” foi se reformando e acontecendo apenas a Usina da Belgo-Mineira. A empresa se expandia e a cidade foi mudando de lugar, principalmente nas áreas comercial, recreativa, social e educacional. Lá se ia o Grupo de Tábua, o Ginásio Monlevade, o Grêmio, o ideal, o União. A mudança era inevitável e o Carneirinhos foi se expandindo, crescendo. Lotes antes vendidos a preço de banana começavam a se valorizar. Terrenos baldios eram transformados em vias públicas. O fedorento canal Carneirinhos em avenida. Regiões como o Novo Horizonte, onde havia um brejo, foram aterrados e se valorizaram.

Na fotografia acima, do início da década de 1960, uma vista parcial dos bairros Novo Horizonte e Alvorada, onde aparecem, verticalmente, três vias públicas: as ruas Pedro Bicalho, Joana Dar´c e Louis Ensch. No sentido horizonte, a Rua Alberto Scharlé. Da direita para a esquerda, o cemitério de Carneirinhos e ao lado uma extensa mata nativa, onde seria construído o Real Esporte Clube anos depois. Passam-se algumas pequenas casas, as primeiras do bairro, e depois um galpão, onde está hoje instalado o Bar “Clube da Cerveja”, no cruzamento da Pedro Bicalho com Alberto Scharlé. Uma Carneirinhos bem diferente.


Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!