Marcas do que se foi…

Ela é hoje considerada uma das estradas com mais movimento no país e somente agora os governantes tomaram uma medida, estando em obras a duplicação da BR-381, no trecho que compreende entre Belo Horizonte a Governador Valadares. Um trecho de BH a João Monlevade – entre o Rio Una (São Gonçalo do Rio Abaixo) até o trevo de acesso a Caeté a estrada já está duplicada.

No entanto, antes de se chamar 381, a rodovia era conhecida como BR-262, que ligava a capital até Monlevade. O asfalto terminava neste trecho, no trevo de acesso ao bairro Cruzeiro Celeste. Para quem viajava de Monlevade a Vitório, no Espírito Santo, trafegava cerca de 100 quilômetros a mais, já que se pegava a 381 até Ipatinga, passava por Caratinga e saia em Realeza, para ali entrar novamente na 262. Durante o governo do então prefeito Lúcio Flávio de Souza Mesquita, foi inaugurado o asfalto entre João Monlevade a Rio Casca, quando era governador de Minas o também saudoso Aureliano Chaves. Tudo então ficou mais fácil e consequentemente o acesso a Vitória e a outras praias do litoral capixaba.

Esta fotografia é dos anos 1960 e mostra o trevo antigo do Cruzeiro Celeste. À direita a Igrejinha e mais à frente a entrada para a rua Nova York, onde hoje encontra-se o Comercial Fraga. À esquerda o cruzamento com a avenida Armando Fajardo, em seu final, e umas poucas casas abaixo da pista. Hoje, com o desenvolvimento, os tempos são outros, o trevo é outro, mas uma coisa não mudou nesses quase quarenta anos: a rodovia continua fazendo vítimas e o governo federal permanece de braços cruzados. Marcas terríveis de tragédias e a omissão das autoridades.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!