Para matar a saudade…

A fotografia acima, de meados da década de 1950, mostra os primeiros carnavais de salão realizados em João Monlevade. Um grande baile carnavalesco no salão do Ideal Clube, onde aparece a banda e, ao centro, o grande Ângelo Rocha, popular “Lelé”, no Sax. Exímio músico, o “Mestre Lelé” morou por vários anos no bairro Vila Tanque, depois de se casar com D. Enir, e não tocava apenas instrumento de sopro, mas também cordas e teclados. Era um músico por excelência. Faleceu em 19 de maio de 1998 – mesma data em que morreu o ex-prefeito de João Monlevade, Germin Loureiro (Bio) -, na cidade de Serra, em Jacaraípe, no litoral capixaba.

Lelé, como gostava de ser chamado, foi ainda regente de corais de Igreja e tocou por muitos anos na Corporação Musical Monlevade, em seus áureos tempos. Na Igreja da Vila Tanque comandou os corais de jovens e de adultos. Sua herança está celebrada. Entre os cincos filhos que teve com D. Enir (que ainda reside em Jacaraípe), o primogênito Ângelo de Castro (Gelu) residente em Salvador e é maestro formado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA); o mais novo, Antônio de Castro (Toninho Bocha) é maestro em Montes Claros. E os demais filhos também herdaram a veia musical do Mestre, e as filhas são excelentes cantoras, de uma voz linda.

Pena que monlevadenses como Sr. Lelé não tenham tido o valor que mereceram, muito menos para alguns políticos, que continuam ofertando seus títulos a algumas pessoas que nunca tiveram compromisso com nossa cidade.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!