O Fusca de Diló

Mas, naquela época, anos 1960, não poderia haver casamento sem um Fusca. Como este, talvez ano 62, do fotógrafo Diló, que muito amigo do noivo, emprestou o carro para que ele pudesse fazer a tradicional foto. Abrindo a porta do “potente” fusquinha para a noiva.

  Diretamente da Rua 18, no Bairro Vila Tanque, de frente da casa do barbeiro Batista Bramante e da cabeleireira Dona Abigail, o elegante noivo e a bela noiva partiam para o altar do Palanque. Uma Rua 18 toda arborizada, diga-se de passagem.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!