O Fusca de Diló

Mas, naquela época, anos 1960, não poderia haver casamento sem um Fusca. Como este, talvez ano 62, do fotógrafo Diló, que muito amigo do noivo, emprestou o carro para que ele pudesse fazer a tradicional foto. Abrindo a porta do “potente” fusquinha para a noiva.

  Diretamente da Rua 18, no Bairro Vila Tanque, de frente da casa do barbeiro Batista Bramante e da cabeleireira Dona Abigail, o elegante noivo e a bela noiva partiam para o altar do Palanque. Uma Rua 18 toda arborizada, diga-se de passagem.

Compartilhe esta postagem

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

História

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!