O Palanque da Vila Tanque

  Era dia de festa. Havia casamento no Palanque da Vila Tanque. O primeiro deles, ocorrido em 3 de dezembro de 1966, é este aí da fotografia, do trabalho do Mestre Diló, entre Edílson e Nilda, e celebrado pelo saudoso Padre Hildelbrando, o popular Padre “Ju-ca”. As cercas ficavam abarrotadas de crianças e o altar era pequeno para tantos convidados e “penetras”. Era um espaço aberto e o palco da religiosidade naquele bairro, de uma vila operária e de um povo cristão.

  O Palanque da Vila ficava ali na Contorno, perto da Rua 16, em frente à Casa Pessoa, do Sr. Delvo e da Dona Santa. Hoje está instalado o prédio (ou prédios) da Doctum, até recentemente Funcec e Centec, que iniciaram suas atividades entre 1974 e 1975. Até então, abrigava o Palanque, todo ele feito em madeira e onde os padres Hildelbrando e Ilídio celebravam as missas nas noites de sábado e nas manhãs de domingo. Um santuário, onde também atuava o saudoso Cônego Higino de Freitas, e de onde saiam as longas e bonitas procissões durante a Semana Santa.

  Um Casamento Histórico que ficou marcado

Pois é, mas um casamento que ficou mesmo marcado no Palanque da Vila Tanque foi este, aparecendo na fotografia os noivos Edílson e Nilda, assinando o Documento Matrimonial, observada pelo Padre “Juca”, bem concentrado na cerimônia. Uns “papagaios de pirata” apareciam para entrar na foto, e ao longe um menino pendurado na cerca, talvez pensando como seria seu casamento. Mas de uma coisa ele já sabia: não seria no Palanque, porque o progresso, certamente, o consumiria, como aconteceu.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!