Matriz São José Operário e sua História!

Vista geral da Matriz São José Operário, que completou 70 anos de fundação em 2018

A Matriz São José Operário foi inaugurada no bairro Tieté, em João Monlevade, a 105 quilômetros de Belo Horizonte, no dia 25 de setembro de 1948. Projetada pelo arquiteto Yaro Burin, dizem que, por determinação do e engenheiro e diretor da Usina, Louis Ensch, a Igreja foi construída em formato de “V disfarçado”, em homenagem à vitória dos Aliados sobre a Alemanha durante da II Guerra Mundial. Mas também o “V” da “Verdade de Cristo – Vereda – Verdade e Vida”.

O arquiteto Yaro Burian, responsável pelo projeto da construção da Matriz São José Operário, e também da Vila Operária

O emblema é uma saudação ao fim da segunda guerra mundial e possui detalhes especiais para aqueles que professam a fé cristã. O clima da floresta, localizada atrás do templo, dá a sensação de um encontro íntimo com Deus.

Aqui a planta da Igreja, assinada pelo arquiteto romeno Yaro Burian, que trabalhava na Belgo-Mineira

  Embora essa data seja seu marco histórico formal, a cada dia vamos descobrindo novas informações sobre sua história, estabelecendo-se, assim, um quadro mais amplo que nos permite um olhar mais profundo sobre sua constituição. E nosso olhar converge naturalmente para o templo que a sedia – a Igreja de São José – cuja rica história cada vez mais a credencia como imagem-símbolo da cidade de João Monlevade.

  Lançada sua pedra fundamental em 29 de novembro de 1942, sob as bênçãos de Dom Helvécio Gomes de Oliveira, Arcebispo de Mariana, a Igreja, ainda em obras, foi aberta oficialmente ao culto no dia 10 de dezembro de 1944, quase quatro anos antes da instalação canônica da Paróquia. Ao longo do ano de 1945, foram comprados e benzidos os sinos, as imagens e outros equipamentos para a Igreja. Também neste ano construíram-se as escadarias e passeios laterais da Matriz.

Três Santos são candidatos a dar nome à Paróquia

  Na década de 1940, a Companhia Siderúrgica Belgo Mineira providenciou a construção da Igreja para os trabalhadores. A empresa foi responsável pela compra de todos os equipamentos. Sinos, imagens e moveis para o lugar. Na ocasião o Arcebispo de Mariana, Dom Helvécio Gomes, apresentou três sugestões para a escolha do Padroeiro, entre Santo Elói, Santa Bárbara e São José.

  A decisão ficou a cargo do Padre José Higino de Freitas. São José foi escolhido por representar os pais de família de João Monlevade, sendo que a maior parte trabalhava no setor metalúrgico. As imagens dos outros santos foram colocadas nos altares laterais.

A Imagem de São José Operário, que fica no Altar da Igreja, durante a festa de celebração dos 70 anos da Matriz

No dia 19 de março de 1946, foi realizada a primeira festa de São José de Monlevade que posteriormente tornou-se tradicional na cidade, sendo até mesmo comemorada juntamente com o dia do trabalhador. No mesmo ano, também celebrou-se solenemente a primeira, mas em Santa, mas em 1948, com decisão de Dom Helvécio de designar a realização  do 1º Congresso Eucarístico regional na Igreja de São José de Monlevade, devido ao seu grande sucesso, o Arcebispo declarou a elevação  da Igreja a paróquia de São José de Monlevade, desvinculada da paróquia de São Miguel do Rio Piracicaba, que mais tarde passaria a se nomeada de paróquia São José Operário.

Premiação na Rádio Atalaia

  Em 1959 e 1960 a Paróquia ganhou o concurso da Rádio Atalaia sendo a primeira do país com maior numero de sócios fieis. Como prêmio recebeu nos dois anos duas imagens de Nossa Senhora Aparecida. Já com 50 anos funcionado como Paróquia e 56 desde o lançamento da pedra fundamental em abril de 1942,a Igreja São José Operário é a primeira plantada em solo árido de em João Monlevade ,dela saíram grandes líderes religiosos e comunitários que hoje são espalhados por todo o país.

Padre Almir foi o 1º Capelão

  No começo o Padre Almir de Aquino foi o capelão da Igreja Mas ele ficou por pouco tempo, pois dizem que se desentendeu com a direção da Belgo-Mineira, por não aceitar algumas determinações da empresa. E nisso pediu ao Arcebispo sua mudança, transferindo-se para a cidade de Santa Bárbara, de onde veio o Padre José Higino de Freitas, que chegou aqui em 04 de novembro de 1945. Sua passagem pela Paróquia seria provisória, mas devido à grande estima e influência na comunidade, permaneceu à frente da Paróquia até julho de 1975, ou seja, longos 30 anos, e ainda foi diretor do Colégio Estadual de João Monlevade.

O Padre Almir, o 1º Pároco da Matriz São José, que depois desentendeu-se com a direção da Belgo-Mineira e pediu para mudar de Paróquia

  O grande líder religioso de João Monlevade e que deixou seu nome registrado foi o Cônego Higino de Freitas, que aqui aque aparece em frente à Gruta São José, junto à irmã holandesa Dona Maria José e às Irmãs do Santíssimo

O Cônego José Higino de Freitas é a maior imagem que podemos sentir presente durante toda a existência da paróquia. Ele foi figura ímpar na história religiosa desse município, pioneiro de fé e do ensino artífice de tão maravilhas trabalho, coube a ele a organização e método, dotou a Paróquia de sólida organização, implantou todas as associações leigas que se faziam mister-criativo, instalou nas de pendências da casa paroquial nos anos 1950 uma pequena estação de rádio, com que se comunicava com seu povo.

1º Batizado e o 1º Casamento

  O primeiro batizado realizado na Matriz São José Operário foi em 10 de dezembro de 1944, o menino tem o nome registrado no Livro da Igreja apenas como José, nascido em 27 de maio de 1944, filho de Joaquim Moises e Maria da Conceição, celebrado pelo Padre Almir de Resende Aquino. O primeiro casamento foi realizado em 3 de janeiro de 1945, ás 16:00 horas, em cerimônia realizada também pelo Padre Almir de Resende Aquino.

A Igreja São José foi construída com duas Naves, e o Cônego Higino não permitia que homens e mulheres ficassem na mesma Nave durante as celebrações, mesmo que fossem casais. Na foto abaixo, a Nave resevada à mulheres

  Sua história também é marcada por tradicionais festas religiosas que mobilizam os cidadãos das cidades vizinhas, como a vinda das missões, Semana Santa, Corpus Christi e a Festa do Padroeiro. Além da grande permanência do saudoso Padre Cônego José Higino de Freitas, também trabalharam na paróquia os padres Almir Aquino, Antônio Henriques de Albuquerque, José Maria Drehmans, Hildebrando de Freitas, Rafael Dant, Geraldo Peeter, Elder Luiz, Padre Miranda, Padre Gustavo, Padre Ricardo Caricati, Padre Jorge, entre outros. Sem dúvida a Paróquia São José Operário ocupa uma parte importante na história de Monlevade, história cultural e religiosa, cujos valores são incomensuráveis para todos nós.

Procissão saindo da Matriz São José, tendo à frente as Irmãs do Santíssimo

Os católicos durante Procissão nas comemorações dos 70 anos da Paróquia, em setembro de 2018

A Matriz São José Operário vista de vários ângulos

*Trabalho de Pesquisa: Jornal “Morro do Geo”

Geraldo Eustáquio Ferreira – Professor “Dadinho!

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!