O Armazém do Geo!

Vamos voltar à Monlevade de antigamente, quando existia, no meio do morro do Geo (que interligava o Bar do Daniel à praça do Cinema), o armazém do mesmo nome, de propriedade do Sr. Antônio de Lima Geo. Naquela época, o centro comercial era na porta da Belgo-Mineira, e também ponto para os encontros, onde os operários faziam suas compras.

Pois bem, mas na foto acima está o famoso Armazém do Geo, aparecendo à frente os seus funcionários e alguns clientes. O Geo vendia de tudo e praticamente todos os operários da Usina utilizavam a famosa caderneta para as compras. Dizem os antigos moradores que o Sr. Leleo tinha um coração muito bom e, mesmo quem ficava devendo, tinha garantida a compra do outro mês. Ninguém ficava sem mercadoria em casa. Do pão ao leite, do arroz ao feijão, os burros puxavam as carroças na entrega das compras do empório.

E, o mais engraçado e que caiu no jargão popular, foi a história que envolvia os burros do armazém. Eles serviam de comparação para as coisas quase impossíveis, do tipo “isso nem o burro do Geo agüenta”, que era comum ouvir na época. Tudo por causa da subida do Geo, que era íngreme e os burros subiam carregando pesadas mercadorias.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!