“Seu Joanico”: O Grande Marcador das Quadrilhas – Coramar Alves!

O saudoso Jonathas de Oliveira, popular “Joanico”, que era dono do Cartório de João Monlevade, tinha como hoby ser marcador de quadrilhas e cantava tudo em francês. Aqui, numa de suas quadrilhas e alguns dançarinos numa festa junina realizada no Ideal Clube

A vida é nova… Adolescente… igual a todas nós daquela bela época. A vida era nova e andava nua, vestida apenas com o nosso desejo. Um desejo sem medo, fascinante e fremente de viver, que faz o jovem seguir para frente, numa beleza instantânea e fulgurante da juventude naqueles voluptuosos tempos dos Anos Dourados. E a gente olhava e seguia sem nenhum temor, porque o desejo, o destino de nossos pensamentos, era sempre o horizonte. Viver bem era o que importava e ter Deus e amigos era fundamental. Amizades que resistem às mudanças e ao tempo, um “maço” na vida que todos possuem e temos um deles que se chama “Seu Joanico”.

Aos poucos, de dentro de minha memória, vai-se levantando o fantasma da saudade junto com a história dos Bailes dos Santos-festeiros e a mesma bateção de coração que sentia naqueles bons tempos, enquanto ensaiava quadrilha para as inesquecíveis festas juninas de nossos grandes e elegantes clubes. São reminiscências incontestáveis que não se apagam, compondo a História dos áureos tempos de nossa João Monlevade. Nitidamente chega aquela memorável noite são-joanina do Ideal Clube, onde hoje sobre cujas ruínas, florescem nossas ternas saudades e não se pode reprimir um olhar amargo, cruel, seco, por onde vaga toda a minha desilusão e toda minha lembrança da turma, do Clube e do Seu Joanico.
Ele era o “marcante” das inigualáveis danças-de-quadrilha das noites frias de inverno e quentes de amor, dos bailes de Santo Antônio, São João e São Pedro. Festas iguais àquelas nunca mais. Ficaram na saudade… Além dos bailes, era também um acontecimento o ensaios. – Tem ensaio hoje Seu Joanico, que horas? Começou a escurecer, tô subindo, avisa a moçada bonita, respondia ele. E lá íamos nós, morro do Geo acima numa euforia transparente. Seu Joanico nos levava a estourar de rir. Fazia sua voz dar todos os tons musicais às palavras da marcação. Era um mestre. Possuía uma memória de prodígio. Marcava a quadrilha em francês, em português, fazendo uma hilariante mistura de idiomas. E nós nos deliciando no balancê, anarriêr, passeio de namorado, anavan, caminho da roça, voa gavião, voa brabuleta, anavantour, touchê e muito mais. Havia um tal de alavantê que era um pândega…

E lá íamos nós, lindas com nossos vestidos de chita, damas e cavalheiros, todos vestidos a caráter; elegantes, impecáveis como manda o figurino, dançando, deslizando pelo salão, obedecendo ao comando do pândego marcante, numas variedades de coreografia. Mas, a melhor de todas, a que mais gostávamos era o tour. E Seu Joanico soltava: “Chega de tour moçada.

Larga a moça, Henriquinho. Não pode apertar a dama, Alpino”. Continuando, “olha o túnel”. Aí, aproveitávamos a “passagem” e, agarradinhos, beijos prolongados esquentavam a boca e a alma. E o Seu Joanico atento, mais que depressa: “Este trem tá quase parando fora da estação. Cuidado moçada! Sai da linha, sai do túnel. Descarrilou? Encurrala moçada. Olha o trem… apitou.”

O riso era geral. Lavava a alma. O Ideal vibrava, ia ao delírio com a quadrilha do Seu Joanico. Continuava ele dançando e marcando. “Balancê de dama e cavalheiro. Trocar de dama. Conserta seu balancê, Dário, que tá muito esquisito. Tem dama levantando a saia, pode baixar. Que chamego daqueles dois! Cuidado com o chameguento. Chega de vaivém, Edil. Vocês também, Milton e Fia. Mauro e Zulma vão virar piorra. Solta a namorada, Vicente.” Eram quadrilhas românticas, bonitas, engraçadas, onde o tour predominava. Todos num compasso de harmonia, num balancê delicioso e prolongado. E depois, o grande baile que durava a noite toda e já era de manhã quando descíamos o morro do Geo, a Estrela-Dalva ainda formosa brilhava no céu. Seu Joanico dançava com uma de suas belas filhas, a querida e saudosa professora Conceição Oliveira, e nós com namorados ou não.

Os ensaios eram o máximo e como diz o ditado popular: “Melhor do que a festa é esperar por ela. Seu Joanico fazia a gente rir, girando em órbitas. O salão do Ideal Clube fervia de animação, sonhos e amores. Também nos ensaios tocavam o Julinho, Antônio Monalisa, Nova Lima, Antônio Honório. Os cantores eram o Juju, Madureira e Geraldo Di Noite.

Seu Joanico, olhos claros, sempre brincalhão, dizia que lá em Rio Piracicaba havia um conjunto de pífanos, pratos e zabumba chamado esquenta-mulher e que seus ritmos “quentes” sacodem a alma, principalmente da mulher, mais sensível à turbulência. Nisto o Vicente Guimarães estoura uma gargalhada homérica e todos vão atrás.

Hoje, nas noites frias e quentes de João, Pedro e Antônio, de um céu bem azul, todo empapado de luar, olho pro céu, sinto saudades do amigo, homem íntegro, de Dona Azulina, sua amada esposa, amiga e companheira, que hoje vivem lá no céu, na eterna morada dos justos. Seu Joanico de Dona Azulina. Nosso coração ouve estourando de rir e agora… também de saudade, sua voz cantando: “Joguei meu chapéu pra cima/pra ver onde ele caia/caiu no colo da moça/isto mesmo que eu queria. Joguei meu chapéu pra cima/pra ver onde ele caia/caiu no colo da veia/Cruz Credo, Ave Maria!”

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!