História da Belgo-Mineira se confunde com a de João Monlevade!

Início das obras de construção da Usina da Belgo-Mineira, com serviço de terraplenagem, em 1935

Diferente da centenária Sabará, que já dispunha de razoável estrutura urbana, João Monlevade na década de 1930 era apenas um distrito do município de Rio Piracicaba, e o local escolhido para ser construída a Usina ficava na Fazenda da Barra do Rio Preto, adquirida por Gaston Barbanson. Como na área central da fazenda situavam-se as antigas instalações de Jean Monlevade, com o tempo foi chamada de “João Monlevade”. Por esse nome, afinal, ficaria conhecida a Usina, muito embora inicialmente a Belgo-Mineira a tenha batizado como Usina Barbanson, em homenagem ao presidente da ABERD.

Para funcionar numa região dominada por morros, em pleno sertão de Minas Gerais, foi preciso primeiro criar condições de vida no local. Assim, decidiu-se que a Usina ficaria no alto de uma pequena esplanada e o conjunto urbano seria construído ao seu redor. Seu projeto foi entregue ao jovem e talentoso urbanista chamado Lúcio Costa. Um “ensaio” talvez, em grande estilo, da obra que seria realizada, anos depois, em pleno Planalto Central. Até 1938 os funcionários da Belgo-Mineira hospedavam-se em alojamentos e hotéis. Pouco tempo depois, ao redor do imenso Platô formado para sustentar as instalações da Usina, foram então surgindo as vilas residenciais, a partir da Vila Tanque e das ruas Beira-Rio e Siderúrgica. Foram sendo construídas outras casas, cujas ruas tinham nomes indígenas: Tupis, Guaranis, Carijós, Aymorés, Tabajaras, Tocantins. Do outro lado do rio, a Tieté, Paraúna, Amazonas, Santa Cruz. E, próximo ao ribeirão Carneirinhos, a Vila dos Engenheiros, Baú, Areia Preta, Pirineus. Em 1943, já existiam mais de 600 moradias em João Monlevade; em 1948, 1440 casas; e em 1952 eram ao todo 2.500 residências, distribuídas em 19 núcleos residenciais.

Nascia a Vila Operária em torno da Usina


Também começou a ser construído, a partir dos anos 1930, todo um conjunto de obras de infra-estrutura e serviços – redes de água e esgoto, estação de tratamento, calçamento e iluminação pública, rodovias vicinais, centro comercial, escolas, hospital, hotéis, clubes, cinema, igreja etc. Atendimento especial em Monlevade foi dado também às áreas médica e educacional. Exemplo na saúde foi a construção do Hospital Margarida em 1952, considerado um dos mais equipados do Brasil na época. Surpreendeu tanto o então governador de Minas Gerais, Juscelino Kubitscheck de Oliveira que, durante a inauguração, chegou a dizer ao seu secretário de Saúde: – “construa um desses em Belo Horizonte, que seja a quarta parte deste”… Foi construída ainda uma Usina de beneficiamento de leite, além de três escolas primárias e uma profissionalizante, o Senai, em 1942.

As histórias da Belgo e de João Monlevade se confundem, desde o dia 31 de agosto de 1935, quando foi lançada a pedra fundamental para instalação da Usina. Na oportunidade, esteve participando da solenidade o então presidente da República, Getúlio Vargas. O alto-forno número-1 da Usina fez a sua primeira corrida de gusa no dia 20 de julho de 1937. Ele começou a ser implantado em 1935. Ao longo desses quase 86 anos, o progresso acompanhou o distrito de Rio Piracicaba e depois o município de João Monlevade.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!