Aqui começou o trabalho da historiadora de Luxemburgo, Dominique Santana! Por Marcelo Melo!

A historiadora Dominique e seu marido Terry são naturais de Luxemburgo e residem há dois anos no Rio de Janeiro. Ela faz Doutorado cuja tema é “A Imigração de luxemburgueses para o Brasil”, entre os anos 1920 a 1960. Porque foi neste período, após a instalação da Usina da Belgo-Mineira na região (Sabará e João Monlevade) que milhares de luxemburgueses vieram para o Brasil e aqui se instalaram no início da siderurgia em nosso país. Entre eles o grande engenheiro de Luxemburgo, Louis Jacques Ensch, que dirigiu a empresa por mais de 25 anos e fez sua história em nossa terra.

E, após a historiadora conhecer nosso Site (morrodogeo.com.br), impressionou-se com o trabalho e entrou em contato comigo pelo Facebook. Assim, no dia de ontem chegou a João Monlevade para uma pesquisa de campo e tive o prazer de recebê-la, junto ao seu marido. Foi uma conversa muito produtiva e a encaminhei para entrevistar algumas pessoas que conviveram com os luxemburgueses em Monlevade, dentro da Usina e na vida social. E torcemos para que seu trabalho seja um sucesso!

A foto foi feita na noite de ontem na “Oficina da Carne”, do amigo Lelito, e tem uma história interessante. Na companhia da amiga Isabel Coura e do casal de luxemburgueses Dominique Santana e Terry”.

O texto acima, marcado entre aspas, foi publicado em minha rede social, em 18 de novembro de 2016 – conforme Print na foto acima -, quando ainda residia em Lavras Novas, distrito de Ouro Preto, mas quinzenalmente vinha a João Monlevade. E não precisa mais explicar do que se trata. Naquela oportunidade, usava ainda o Site antigo (hoje estou com um novo Site, no ar desde 2020 e criado pela “IdeiaNinja, mas no mesmo endereço) e, durante a conversa, fiz questão de abrir um leque de sugestões para a Dominique Santana, E, entre as pessoas que indiquei para serem entrevistadas, estavam Sr. Ildeu Caldeira, Tussan, Alim Machado, Messias Magalhães e outras, pois tinham histórias dentro da Usina da Belgo-Mineira e também na vida social, e conviveram durante anos com os luxemburgueses, inclusive com o diretor da empresa, Dr. Louis Jacques Ensch. Com o maior prazer, apesentei a ela o “Caminho das Pedras”! E assim ela fez, realizando um trabalho fantástico.

Pois é, pra quê!

Pois bem, na no último domingo, 27, a historiadora Dominique Santana, hoje também cineasta, juntamente com uma comitiva de luxemburgueses liderada pelo embaixador de Luxemburgo no Brasil, Carlos Krieger, e o cônsul honorário de Luxemburgo em Minas Gerais, Paulo Henrique Pinheiro de Vasconcelos, estiveram em João Monlevade, onde foram recebidos pelo prefeito Laércio Ribeiro, pelo vice-prefeito Fabrício Lopes, e pelo presidente da Câmara Municipal, Gustavo Maciel, entre outras pessoas. Na oportunidade visitaram a Matriz São José Operário, o Solar Monlevade e alguns locais que possuem estreita relação com o trabalho dos luxemburgueses que habitavam em João Monlevade.  

A visita fez parte de uma série de eventos do Festival Brasil-Luxemburgo realizado pelo Consulado Honorário de Luxemburgo em Minas Gerais, com apoio da Embaixada Luxemburguesa e da Secretaria de Cultura e Turismo de Minas Gerais. O Festival teve início no sábado passado, 26, em Belo Horizonte, com a exibição do Documentário interativo “A Colônia Luxemburguesa”, no Cine Belas Artes. Dirigido por Dominique Santana, a obra retrata a trajetória dos imigrantes que chegaram a João Monlevade no início do Século XX, para o desenvolvimento da Usina da antiga Belgo-Mineira, atual Unidade da Arcelor/Mittal no município.

Pois bem, mas todo o trabalho da Dominique Santana começou conosco, após as pesquisas que ela fez em nosso Site, seguido de nosso encontro naquele novembro de 2016. Fomos nós que demos a ela o caminho das pedras, indicamos as pessoas para ela entrevistar, que a levamos na casa de algumas destas pessoas e a apresentamos. E depois ela retornou e mais uma vez a amiga Isabel Coura foi testemunha, quando mais uma vez nos encontramos no mesmo ponto, ali na “Oficina da Carne”, em 2019, e novamente demos outra contribuição para sua pesquisa. E agora, quando todo seu projeto está concluído – aliás – sei que ficou fantástico e merece aplausos e todo louvor pelos anos que ela dedicou a este trabalho de pesquisa, fosse nos bastidores ou em campo. Simplesmente sensacional e Parabéns! Deus te dê muitas bênçãos e sucesso, que você merece!

Pois é, pra quê! Obrigado por não ter feito parte do Epílogo desta sua linda História sobre a “Imigração de Luxemburgueses para o Brasil”, mesmo tendo feito parte da sua Criação!

Na foto abaixo Dominique Santana entrevista Sr. Ildeu Caldeira em sua residência, no ano de 2016. Seu trabalho de campo foi muito produtivo

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura