Uma Crônica para João Monlevade – Marcelo Melo!

Vista parcial do Centro Industrial, com destaque para a Matriz São José Operário (Foto: Sérgio Henrique)

Nem havia ainda chegado o dia de vir ao mundo. Mas dentro de um ventre estava inquieto, como se querendo romper as barreiras naturais do parto e surgir em dias. Mas a calma de minha mãe era paciente e sua barriga crescia, como qualquer negra ou branca, prenha. E surgia na casa de alpendre vermelho, de azul nas janelas, mais um arrebento cujo cordão era cortado pela parteira, que subia do Areia Preta até a velha Vila Tanque. Comunhões eram oficializadas e se tornavam sagradas.

Era manhã quando, pela vez primeira, entrei em uma lotação que descia a Contorno, cujo ponto era um pedaço de madeira, com letras verticais onde se lia “Ponto”. Nem conhecia bem as palavras! E, de mãos dadas com minha mãe, sempre paciente, descíamos para a feira, atrás do Geo, de frente para o seu morro. Afinal, tratavam-no como “Morro do Geo”. Era o proprietário. Vislumbrei-me com aquela correria, desde a subida, como se estivesse entrando em terras estranhas. Uma rua onde funcionava um enorme mercado. Novo para entender aquilo tudo, minha mãe relatava a sua história e contava os causos dos personagens daquele enorme conglomerado de gente. E de cada porta por onde entravam e saiam tantas pessoas… Cresci com aquilo ao meu redor. E vivi cada manhã, semanalmente, desde a lotação que passava em frente à minha casa de alpendre vermelhão, subindo os degraus do coletivo – já sem as mãos dadas com minha mãe – até descer no “Ponto” da Leiteria.

Chegava e já era dia. Entrava por aquele imenso mercado. Quase todos caminhavam pela rua de calçamento. O passeio era pouco usado. Também, trânsito ali era coisa que não preocupava muito. Podíamos atravessar sem muita pressa e sem medo, da Farmácia de Seu Juventino Caldeira até o outro lado, na Cobal. Bom parar ali e prosear com ele, o farmacêutico/político. Sempre sorridente. E o “Sô” José Braz, da famosa Casa Braz. Ou ainda as Casas Maluf, da simpática Dona Farid. Tudo levava o nome de “Casa”, ou o singular no plural, como a Casa Jaime. Ah, e as Casas Lotéricas, do JG. Para um pouco variar, o Bar Primavera. Mas nada que fugisse à regra. Afinal, ainda faziam parte do Complexo a Casa do Pescador e a Casa do “João Gordo”. Será que era falta de criatividade ou costume mesmo? Uma cidade começando a surgir dentro das montanhas de Minas e em sua pacata Vila Operária o “quanto mais simples, melhor”… Talvez explicasse tantos homônimos…

Havia ainda o “andar de cima”, da granja e da Delegacia de Polícia. E sempre alerta o Soldado Paixão. Tudo mágico, como o caixeiro viajante que ficava na entrada, à direita do Mercado. Pertinho dali um artista, o “anfitrião” da praça, Seu Enéias, vendedor de amendoins, que atraia os fregueses tocando a sua flauta transversal, doce, como fazendo poesia. Negro, altivo e bonito. Simples.

Praça do Mercado, o meu caminho desde os tempos das matinês no Cine Monlevade. Domingos, às 10 da manhã, assistindo o mascarado Zorro e à “dupla dinâmica”, Batman e Robin. Nem imaginávamos, em nossa infância e ingenuidade, que ali já se prenunciava uma relação entre pessoas do mesmo sexo. E nem que o simples ato de levar pipoca para dentro do escuro do cinema já fazia parte de outro enredo. Duca Pinduca, o “ladrão de açúcar”. Geraldo Moleza conduzindo sua lotação, que saia da praça – em frente à Assistência Médica -, até a velha Vila. Entre a arquitetura em estilo neo-clássico. Do banheiro público à farmácia de Seu Vicente. E as ruas brotadas pelas origens indígenas da Tupis, Tabajaras, Guaranis… E a Cidade Alta!

Mas eis que o dia desaparece e a noite me pega de surpresa. Os anos 1980 ficariam marcados para sempre como a “Década da Destruição”. Do Grêmio ao Ideal dos ideais progressistas. Do União Operário e do Bar do Bené, do Bar de Seu Simões e do Bar para Todos. Pois todos éramos nós, que perderíamos a nossa identidade e a nossa cidadania como cidadãos de uma cidade. 

E também a minha mãe, Dona Geralda, que viajou e se juntou às estrelas. Mas deixou como herança a sua sabedoria e a sua força. E a sua fé. Entre a Praça do Mercado até o Morro do Geo. Parada na Praça do Cinema, quase em frente à Portaria-1 da Usina da Belgo-Mineira. Tudo sucumbiu. E sem projetos, perdemos a ilusão do exemplo da Ave Fênix. Pois nada ressurgirá das cinzas.

*Crônica que fiz e saiu vencedora no Concurso Literário promovido pela Prefeitura Municipal de João Monlevade, no ano de 2011.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas