A História é a mãe da Estória (Os bairros acabaram ganhando novos nomes)! – F. de Paula Santos

Uma foto antiga do Rosário, provavelmente da década de 1970, quando o bairro era era conhecido como “Jacaré”, devido às centenas de árvores de Jacaré que havia na região

Já foi dito. É sempre repetido, mas não custa lembrar: “Quem ignora o passado, tem presente, mas não terá futuro”. Parece-nos apenas mais uma frase de efeito, até o momento que a compreendemos. As pessoas parecem ávidas por novidade e, às vezes, só vão encontra-la quando voltam um pouco ao tempo. Por falar no pretérito, eu cheguei a Monlevade pelo bairro Bela Vista, que era ali, pertindo do “Onça”. Parece confusa, mas a cidade denominada Bela Vista de Minas era, até alguns anos atrás, um bairro de João Monlevade. E muita gente conhecia como “Onça”. Havia até aquela brincadeira cruel: “você mora no Belo Onça”?

Pois é! Mas naquele tempo existia ainda o “Morro dos Cabritos”, que ligava Bela Vista ao Bairro Santa Cruz. Bem ali na “Praia dos Urubus”, como era conhecido o campo de futebol do Olímpico (ex-Vigilante – também chamado de “Fuça-Marmitas”), e do industrial, tradicionais equipes do futebol monlevadense da época. O “Jacuí de Baixo” era, e continua sendo, um dos extremos da cidade e rivalizava com o outro Jacuí, o “de Cima”; hoje conhecido como Cruzeiro Celeste.

No Centro Industrial – região ao redor da Usina da Belgo-Mineira, hoje Arcelor/Mittal -, havia a “Cidade Alta” e toda uma comunidade com ruas de nomes indígenas; algumas muito perto do Grêmio Esportivo Monlevadense – que não existe mais! Contudo, Beira-Rio e Pedreira, permanecem. O Bairro Areia Preta persiste, o Vila Tanque também, assim como o Baú. Mas pouco acima do cemitério o nome do bairro mudava: era “Pirineu”. Você se lembra? Então deve saber também que o Metalúrgico era “Grota de Geraldo de Paula” e o Belmonte “Posto do Tenente”. O bairros Loanda, o Laranjeiras e o Satélite, se mantiveram firmes – muita coisa mudou neles, mas os nomes persistem. O José de Alencar foi o início do crescimento vertical. Depois o fato se repetiu no Vale do Sol. Você se lembra do “Marmota”? Hoje se chama São Benedito. O São João já foi “Peroba”; o São Geraldo “Buraco de Tatú” e o Lucília, “Buraco da Mandioca”. O Rosário era “Jacaré” e o Nova Esperança “Viva Povo”. O Bairro República, primeiro conjunto habitacional da cidade com a marca BNH, o único a ter sua história registrada numa revista exclusiva – um trabalho de vulto do seu ilustre morador, o professor Dadinho, com a colaboração da comunidade local -, chamava-se “Pedregal”.

Você que está lendo tudo isto precisa saber de um detalhe: hoje são mais de 70 bairros catalogados, segundo o Plano Diretor de João Monlevade – iniciativa não conclusiva em 2006. Mas, naquele tempo, décadas de sessenta, setenta, mais ou menos, não eram tantos assim. Os bairros aqui citados, assim eram conhecidos e, para a maioria, não existia ônibus coletivo. Era o de Carneirinhos que passava pelo caótico trânsito da Avenida Getúlio Vargas – via dupla -, e o do “Jacuí de Cima”, que seguia na direção que chamávamos antes da BR-262. O passageiro descia no ponto mais próximo de uma “picada de mata” que levava ao seu bairro e seguia o resto a pé. Inclusive quem morava no “Gataçú”, onde hoje está a UFOP e que agora é conhecido como Bairro Vera Cruz.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!