Usina de Monlevade completa 85 anos!

A Usina de Monlevade completou 85 anos de instalação ontem, 31 de agosto, e foi graças ao engenheiro de Luxemburgo, Louis JJacques Ensch, que o sonho de a Belgo-Mineira se instalar em João Monlevade se tornou real. Aqui, uma vista aérea da Usina de Monlevade, que integra o grupo Arcelor-Mittal desde o ano de 2006

Dois eventos marcaram o dia 31 de agosto de 1935: a inauguração do ramal ferroviário Santa Bárbara/São José da Lagoa e o lançamento da pedra fundamental da Usina de Monlevade. Complementares, os dois marcos foram firmados pelo Presidente da República da época, Getúlio Vargas, e abriram uma página notável no cenário da siderurgia mundial.
Setenta e um anos depois, a Usina de Monlevade já passou por diversos planos de expansão e modernização, que deixaram a empresa numa posição de liderança no mercado internacional.

A Usina de Monlevade teve sua pedra fundamental lançada em 31 de agosto de 1935, com a presença do presidente da República, Getúlio Vargas, que aparece aqui ao lado do diretor da Usina, Dr. Louis Ensch, convidados e a Comitiva presidencial


Principal unidade siderúrgica da Belgo, a Usina de Monlevade produz anualmente 2.400.000 toneladas de fio-máquina de baixo e alto teor de carbono e de baixa liga para as mais diversas aplicações. O fio-máquina para lã de aço e cordonéis de aço para a fabricação de pneus radiais são “a menina dos olhos” da Usina. Em 2001, inclusive, a Usina recebeu o título de melhor fornecedor mundial de steel cord da Bekaert, num reconhecimento à alta qualidade do produto desenvolvido em João Monlevade. Mas os últimos anos têm sido pródigos em premiações, não só relativas à qualidade do produto, mas também para o modelo de gestão adotado pela empresa e por sua atuação social. A mais recente conquista foi a inclusão da empresa na relação das 10 melhores empresas do Brasil para se trabalhar, em pesquisa realizada pelas revistas Exame e Época.

História

Mas a história da Belgo começa antes de 31 de agosto de 1935. Na verdade, é preciso relembrar a origem do município, quando o fundador Jean Antoine Félix Dissandes de Monlevade chegou a estas sesmarias e construiu o Solar da Fazenda Monlevade e uma Forja Catalã, na qual mais ou menos 200 escravos produziam diariamente 30 arrobas de ferro.

Com a morte de Jean Monlevade, a Forja Catalã passou por um momento de decadência entre os anos de 1872 e 1891. Foi vendida à Companhia Nacional de Forjas e Estaleiros, que a manteve até 1897, fechando pela dificuldade de encontrar mão-de-obra especializada, pelo alto custo da produção e ausência de uma linha férrea interligando a região de Monlevade à Estrada de Ferro Leopoldina.

Vinte anos depois, engenheiros mineiros montaram a Companhia Siderúrgica Mineira em Sabará e dois anos mais tarde registrava-se a primeira corrida de gusa naquela usina. Em 1921, Gaston Barbanson adquire o patrimônio da Forja e Estaleiros e no mesmo ano ocorre a fusão do capital da Companhia Siderúrgica Mineira com o da ARBED (Aciéres Reunies de Bourbach, Eich e Dudelange). Daí nasce a Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira.

Foi em 1926, sob a chancela do engenheiro Louis Ensch, que começaram os trabalhos de terraplenagem para a construção da Usina de Monlevade. Dois anos após o lançamento da pedra fundamental, em 1937, registrava-se, no dia 20 de julho, a primeira corrida de gusa produzido no alto-forno 1. Em 1938, entrava em operação o primeiro forno Siemens-Martin e o segundo alto-forno. No ano seguinte, eram construídos a usina hidrelétrica Piracicaba, o segundo forno Siemens-Martin e a trefilaria. Ato contínuo, entram em atividade, em 1940, os laminadores e a fábrica de arame farpado.

Cinco anos após o lançamento da pedra fundamental, a Usina funcionava a pleno vapor: quatro alto-fornos, uma usina hidréletrica e uma trefilaria. Pela segunda vez, o Presidente Getúlio Vargas vem a Monlevade para inaugurar os alto-fornos e lançar a pedra fundamental do primeiro laminador de trilhos, que seria o primeiro da América do Sul.

Na foto abaixo, o príncipe Charles, de Luxemburgo (o 1º à frente), visita a Usina de Monlevade


Entre os anos de 1949 e 1957, entraram em operação o trem de reversível de chapas a quente e primeira fábrica de oxigênio da América Latina. Em 1968, é inaugurado o trem de laminação Morgan. Já em 1978, é instalada a nova Sinterização e começa o Programa de Proteção Ambiental.
Na década de 1980, entraram em operação o alto-forno 5, a nova fábrica de oxigênio, nova Aciaria LD, o forno-panela e o lingotamento contínuo.
Outros grandes investimentos foram feitos, como o Laminador Morgan 2 (1990), reforma do Laminador 1 (1996) e o novo alto-forno (2000) e a expansão da Usina, a partir de 2012, que foi responsável pela duplicação da produção da Usina, passando de 1.200.000 toneladas de fio-máquina para 2.400.000, anualmente.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe um comentário

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!