Especial: “Manoel Paciência”: um Pracinha que acabou na “Praça! – Por Marcelo Melo

Acima, a fotografia original com a legenda, que saiu publicada na matéria publicada em setembro de 1989

A nossa reportagem especial desta edição é sobre o ex-motorista de praça, ou de um ex-pracinha que esteve no Exército Brasileiro durante a II Guerra Mundial, ajudando a proteger o litoral baiano de alguma possível invasão. Vamos falar sobre o Sr. Manoel Engrácio Mendes, de 70 anos de idade, que está em João Monlevade desde 1935. A maioria o conhece por “Manoel Paciência”, apelido dado pelo ex-companheiro e também motorista de caminhão “Saul”. Herdei o apelido porque andava muito devagar. E o Paciência acabou ficando”, Lembrou Seu Manoel Mendes.

  Nascido em Alvinópolis, em 1919, Manoel veio para João Monlevade em 1935, quando havia apenas o Solar Monlevade e as chamadas “Três Casas”, próximo à Estação Ferroviária. O resto, conta ele, era só mato. Iniciou sua vida profissional na empresa Campolina, responsável pela execução da estrada de ferro da Belgo-Mineira. Mais tarde ingresso na Nicácio Construções e Crhistiane Nilsen, chegando então a ser admitido então na C.S.B.M. “Meu encarregado na época era o Sr. Chico Formiga, quando trabalhei com as chapas do Alto-Forno. Em seguida fui trabalhar junto ao pessoal que instalou a Usina superior. O chefe era um gringo, um tal de Mafrer, de apelido “Franfote”, disse saudosista Manoel Paciência.

Ingresso no Exército

  Sempre considerando um grande contador de causos, o Sr. Manoel foi para São Paulo em 1939. Mas, fora de suas perspectivas, ele acabou entrando para o Exército em 1940. “Fui imaturo na época. Minha intenção era conseguir o  certificado para conseguir retornar a São Paulo num emrpego melhor. Mas, assim que me alistei na Companhia de Ouro Preto, acabvei sendo chamado e fiquei. MNa época, éramos três daqui de Monlevade: eu, O Veloso (cunhado do Sr. Simões) e Eugênio. Apenas eu fiquei. Fui depois transferido para a Cia Quadros, em Uberlândia, por onde fiquei por um ano”.

  Ao retornar a Ouro Preto, no entanto, estava inscrito para integrar a Cia. Que ficaria de guarda no litoral. “Não havia estrada naquela época. Em 1942, aproximadamente, viajamos de trem de Ouro Prto ao Rio de Janeiro, e de lá de navio até Porto Seguro, na Bahia. Estivemos ainda em Santa Cruz de Cabralha e em Vitória, no Espírito Santo. Ficávamos vigiando a costa litorânea”, contou Sr Manoel Paciência, que lembrou ainda do maior medo que passou na vida: “nunca havia tido médio como naquela viagem de navio para Vitória. Estava caindo um temporal e acreditávamos que o afundamento do navio seria inevitável. Mas, felizmente, tudo ficou apenas no susto”.

Retorno e o primeiro Carro na Praça

  Em 1944, ele deixava o Exército. Passando por Belo Horizonte foi convidado para fazer parte da extinta Guarda Civil pelo avantajado porte físico. Mas negou ao convite, tendo retornado a Monlevade e foi readmitido na Belgo-Mineira no mesmo ano. Trabalhou na empresa pela segunda vez na Oficina Mecânica com o “velho Cabral”. Em 1950, no entanto, decidiu sair para tentar a sorte com carregamento de carvão, num caminhão próprio. Mas acabou não dando certo. “Foi então que comprei um Ford-40, de cor preta, para trabalhar com táxi. Iniciou a profissão na praça em 1952, por onde ficou mais de 20 anos. Teve ainda um Dodge-51, uma Willis e outros tantos carros, aposentando-em em poder de um Corcel-71.

  No início fazia o ponto na Praça do Cinema, passando depois para a antiga Rodoviária, na Rua Beira-Rio. Como casos pitorescos, lembra do dia que sofreu uma tentativa de assalto no Cruzeiro Celeste, quando foi obrigado a passar com o veículo sobre várias pedras. E ainda de um caso ocorrido na subida do morro do Geo, quando socorreu uma mulher que pedia muito sangue, tendo encaminhado a mesmo ao Hospital Margarida. “A mulher havia sofrido uma hemorragia e perdia muito sangue. Levei-a até o Hospital, sendo atendida pelo Dr. Lúcio Flávio. Hoje, ela e seu marido Zé Augusto, residentes no Tieté, ainda se lembram do ocorrido e são gratos”, afirmou sorrindo.

  Este é o grande e famoso Manoel Paciência, casado desde 1945 com Dona Irani de Souza Mendes. O casal tem oito filhos e 14 netos, e reside há mais de 30 anos no Bairro Vila Tanque, precisamente no alto, à Rua 5; “Mané Paciência lelbrava ainda dos tempos em que pescava no córrego de Carneirinhos, num rebojo que existia onde está instalada hoje a Minas-Caixa. Manoel Mendes, um homem que conhece a história de João Monlevade, assim como dos antigos motoristas da praça, como “Zé Buzina” e “Bento”, que ainda estão na labuta.

Nas fotografias abaixo, o cabeçalho com o título original e a data do jornal, e minha assinatura da autoria da matéria

Em Tempo!

  Contextualizando, farei aqui uma referência a um caso envolvendo o nosso entrevistado, já saudoso Sr. Manoel “Paciência”, e cuja matéria foi publicada em setembro de 1989, no “Jornal de Monlevade”.

  Numa manhã qualquer, como fazíamos mensalmente, estávamos eu e o amigo Mário Mendes, conhecido Mário “Paciência”, fazendo a entrega de um exemplar do jornal “Morro do Geo” na residência da saudosa Maria Luzia de Oliveira (Luzia do Cartório). Ao apresentar o amigo, ela ligou o apelido do Mário e perguntou se o mesmo era filho do saudoso taxista Manoel “Paciência”. Ao acenar que sim, Luzia deu aquele sorriso que lhe era familiar e disse: – “Menino, seu pai sempre fazia corrida pra gente e ele tinha uma mania. Sempre levava uma maçã no capô do carro. Aí perguntei pra ele o motivo e ele respondeu que perfumava o interior do veículo. E era verdade. Mas, continuei curiosa por outro motivo até que um dia tomei coragem e fiz outra pergunta: Sr. Manoel, e o senhor usa a mesma maçã durante quantos dias? E ele, sorrindo, respondeu: – Não. Todos os dias quando chego em casa, lavo  e como. Coloco uma maçã nova diariamente”.

*De julho a dezembro de 1989, tive o prazer de produzir uma série de reportagens no extinto “Jornal de Monlevade”, periódico este fundado pelo amigo e jornalista Elmo José Lima – hoje residente em Belo Horizonte -, com algumas personalidades de nossa cidade, bairros e fatos curiosos sobre a história de João Monlevade, que estarei publicando em nosso Site.

*Obs: O artigo está transcrito na íntegra, conforme publicado na edição de nº 297 do “Jornal de Monlevade”, de setembro/1989.

Compartilhe esta postagem

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

Postagens relacionadas

Notícias por Categoria

Cultura

Esportes

Colunas

Seja assinante!

Assine agora mesmo por apenas R$ 47,90 Anuais!

Já é assinante?

Faça seu login!